Barroso liga vazamento de dados do TSE a ‘milícias digitais’ pró-ditadura

Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Em balanço da votação de ontem, Luís Roberto Barroso disse que há suspeitas de que o vazamento de dados de funcionários do TSE, que veio à tona ontem, tenha ligação com grupos a favor da ditadura.

“Milícias digitais entraram imediatamente em ação [após a divulgação do vazamento] tentando desacreditar o sistema. Há suspeitas de articulação de grupos extremistas que se empenham em desacreditar as instituições, clamam pela volta da ditadura e muitos deles são investigados no STF”, afirmou.

O vazamento, informou Barroso, continha informações não só de funcionários, mas também de ex-ministros do TSE, relativos ao período de 2001 a 2010, e ocorreu antes de outubro, só sendo divulgado ontem.

A Polícia Federal investiga o caso. Além do vazamento, o TSE sofreu tentativa de ataque com acessos simultâneos, com 436 mil conexões por segundo. Nesse caso, reiterou o ministro, barreiras de segurança impediram a queda do sistema.

Fonte: O Antagonista

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.