Em visita ao rio Capibaribe, Mendonça diz que o Recife vai deixar de ser a capital da desigualdade social

Crédito: Guga Matos

No penúltimo dia da campanha eleitoral do primeiro turno das eleições, o candidato a prefeito do Recife pelo Democratas, Mendonça Filho, andou de barco no Capibaribe, nesta sexta-feira (13/11), com sua vice, Priscila Krause, percorrendo trechos do rio onde há despejo de esgoto. Durante a visita, Mendonça garantiu que vai ampliar os investimentos no saneamento básico.  “O IBGE apontou que o Recife é capital mais desigual do Brasil e parte dessa desigualdade está diretamente relacionada a falta de saneamento básico. Nas gestões do PSB/PT a cidade foi abandonada e a população mais pobre tratada como invisível. Isso vai mudar. Recife vai deixar de ser a capital da desigualdade social”, afirmou, ressaltando que o recifense vai dizer não ao projeto de continuidade numa referência ao candidato João Campos, do PSB.

Mendonça afirmou que a sua gestão vai elevar os investimentos no setor de saneamento, contemplando o controle e a distribuição dos recursos básicos, como abastecimento, tratamento e distribuição de água, tratamento do esgoto sanitário, coleta e destino adequado do lixo, drenagem, pavimentação e limpeza pública. O democrata prometeu, ainda, finalizar projetos que foram abandonados pelas gestões do PT e PSB, como o Sistema de Esgotamento do Cordeiro. A obra foi iniciada em 2007, na gestão João Paulo, retomada por Geraldo Júlio, no final de 2017 e paralisada. Ao todo, já consumiu R$ 25 milhões, sendo R$ 14 milhões só na Estação de Tratamento de Água.

O Rio Capibaribe tem mais de 150 pontos de despejo de esgoto entre Dois Irmão e o Marco Zero. “Isso é um absurdo. Vamos trabalhar para devolver a vida ao rio, que é patrimônio dos recifenses”, afirmou, destacando o compromisso de concluir obras como a do Canal do Ibiporã, no Coque, para beneficiar mais de 50 mil pessoas na região central do Recife. Mendonça afirmou, ainda, que a partir de janeiro de 2021 vai exigir que a Compesa cumpra com a sua obrigação e invista em saneamento para aumentar a cobertura para pelo menos 60% da capital.

Ao afirmar que Recife deixará de ser a capital da desigualdade social, Mendonça baseia-se no estudo Síntese de Indicadores Sociais 2020 (SIS), do IBGE, divulgado ontem, no qual o Recife aparece em primeiro lugar no Índice de Gini, que mede a desigualdade social através da distribuição/concentração de renda, com índice de 0,612, em 2019, posição que não ocupava desde 2016. A capital pernambucana é seguida por João Pessoa (0,591) e Aracaju (0,581). Quanto mais perto de 1, mais a renda é concentrada nas mãos de poucas pessoas. O cálculo do Índice de Gini também avalia a desigualdade social em outros recortes, como educação, saneamento básico, mercado de trabalho e habitação, entre outros segmentos. Além disso, o Recife está na 75º posição no Ranking do Saneamento Básico, do Instituto Trata Brasil, num avaliação entre as 100 maiores cidades do país.

Mendonça reafirmou suas críticas ao PT e ao PSB por terem votado contra o Marco Regulatório do Saneamento Básico, projeto que prevê investimentos da ordem de R$ 700 bilhões para o abastecimento de água e o tratamento de esgoto. “Por questões ideológicas, o PT e o PSB votaram pela perpetuação da miséria de milhões de brasileiros, que pisam diariamente na lama e sofrem com doenças provocadas pela falta de água tratada e de esgoto”, declarou. “O PSB e o PT governam Pernambuco e o Recife há 20 anos e são responsáveis por todo esse caos instalado. Mas ele tem data para acabar e será 1º de janeiro de 2021, quando eu e Priscila assumirmos a prefeitura e iniciarmos o resgate do Recife. A população pode apostar sem medo, o Recife voltará a ser a capital da boa gestão e da igualdade”, completou.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.