Expectativa de vida dos pernambucanos sobe para 75 anos, mostra IBGE

Uma pessoa nascida em Pernambuco no ano de 2019 tem a expectativa de viver até os 75 anos, contra 74,6 anos entre os nascidos em 2018. A expectativa de vida, no estado, é inferior à média brasileira, que chegou a 76,6 anos.

Os dados são das Tábuas Completas de Mortalidade 2019, divulgadas nesta quinta-feira pelo IBGE. O levantamento apresenta projeções a partir de dados coletados no Censo Demográfico de 2010 e é usado como um dos parâmetros para determinar o fator previdenciário no cálculo das aposentadorias do Regime Geral de Previdência Social.

Para os homens, a esperança de vida ao nascer em 2019 subiu de 70,8 anos para 71,2 anos no ano passado, enquanto a das mulheres passou de 78,4 para 78,6 anos. A diferença entre os dois sexos é de 7,5 anos e está acima do indicador nacional (7,1 anos). Quando se trata dos homens, a expectativa de vida é menor, em parte, devido ao fenômeno da sobremortalidade masculina, ocasionada por conta de causas externas ou não naturais que atingem os homens com mais intensidade, incluindo os homicídios, suicídios, acidentes de trânsito, afogamentos, quedas acidentais e outras eventualidades.

O levantamento mostrou também que, em 2019, 11,4 bebês a cada mil nascidos vivos não conseguiram completar um ano de vida. Com o resultado, o estado manteve, em comparação ao ano anterior, a nona menor taxa de mortalidade infantil do país e o índice mais baixo da região Nordeste. Os números do estado também são inferiores à média nacional, de 11,9 óbitos de bebês de até um ano a cada mil nascidos vivos. A taxa de mortalidade infantil é menor entre os bebês pernambucanos do sexo feminino (10,2 por mil) em comparação aos do sexo masculino (12,4 por mil).

Entre as razões históricas para a queda da mortalidade infantil ao longo dos anos estão a atenção ao pré-natal, campanhas de vacinação em massa, aleitamento materno, a presença de agentes comunitários de saúde e programas de nutrição infantil. Outros fatores também contribuíram para a diminuição do nível da mortalidade: aumento da renda, aumento da escolaridade, aumento na proporção de domicílios com saneamento adequado, etc. “Todas as mudanças históricas combinadas estão associadas à forte queda observada da mortalidade nacional e em todos os estados”, pontua Marcelo Dantas, demógrafo do IBGE em Pernambuco.

A expectativa de vida muda conforme o ano de nascimento da pessoa e o sexo. Quem completou 60 anos em 2019 tem mais 21,5 anos de expectativa de sobrevida, ou seja, pode alcançar, em média, os 81,5 anos. Para as mulheres, o valor sobe para 83,1 anos, versus 79,6 anos dos homens.

Além disso, no ano passado, de cada mil indivíduos que completaram 60 anos, 572 devem chegar aos 80 anos. A esperança de vida para os idosos é muito superior à verificada em 1980: naquele ano, de cada mil pessoas que chegaram aos 60 anos, 300 atingiram os 80 anos. Isso significa que, neste intervalo de 40 anos, 272 vidas foram poupadas para cada mil que chegaram aos 60 anos.

Aos 65 anos, o pernambucano tem mais 17,9 anos de expectativa de vida, chegando, em média, aos 82,9 anos. Essa projeção está acima da média nordestina, que é de 82,6 anos, mas mantém-se abaixo da média nacional, de 83,6 anos. As mulheres que completaram 65 anos em 2019 podem chegar aos 83,9 anos, contra 81,4 dos homens. Os números deixam Pernambuco em 17º lugar nacional quando se trata da expectativa de sobrevida, atrás de outros estados nordestinos, como Rio Grande do Norte, Bahia e Ceará.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.