Jovens selecionados pelo projeto Recife Incluído têm encontro com prefeito João Campos no Teatro do Parque

By 13/08/2021 - 16:30Pernambuco

Selecionados no concurso foram recebidos no Teatro do Parque onde assistiram a um curta da cineasta Tuca Siqueira e trocaram experiêncais

Semeando futuro para um dos setores culturais mais importantes e celebrados do Recife e de todo o estado pernambucano, o prefeito João Campos recebeu, na manhã desta sexta-feira (13), os jovens selecionados no concurso Recife Incluído, realizado pela Secretaria de Cultura e pela Fundação de Cultura Cidade do Recife. O projeto prevê a realização de 10 curtas-metragens, a partir do argumento de autores iniciantes, das seis Regiões Político Administrativas (RPAs) da cidade, para revelar novos talentos e olhares para o audiovisual feito em Pernambuco.


“A gente hoje se encontrou com os jovens que foram selecionados para o Recife Incluído. É um edital lançado pela Prefeitura, através de uma emenda do deputado Tadeu Alencar, que viabilizou financeiramente essa execução, para a gente poder selecionar os jovens da periferia do Recife para fazerem produções audiovisuais contando histórias de sua localidade, de sua construção, de sua vivência enquanto jovem. A gente conseguiu garantir a paridade de gênero, garantir pessoas com deficiência também sendo incluídas e tendo direito a produção de audiovisual para a gente, através de produtoras locais, garantir que serão executadas essas produções de curta-metragem”, comentou o prefeito.


O encontro foi no Teatro do Parque, cineteatro dos mais antigos e populares da cidade, que formou muitas gerações de cinéfilos e cineastas, com a participação também do secretário de Cultura do Recife, Ricardo Mello, e do presidente da Fundação de Cultura Cidade do Recife, José Manoel Sobrinho.


Estiveram presentes oito dos dez selecionados no concurso: Luiz Apolinário, Brendo Diogo Barbosa da Silva, Leonardo Pereira Lopes Catarino, Maria Eduarda Virões da Cunha, Tami Marques Acioly, Rute Beatriz da Silva, Priscilla Mesquita de Almeida e Letícia Lima do Nascimento.


Maria Eduarda Virões, 23 anos, moradora de Brasília Teimosa e uma das beneficiadas do projeto contou um pouco sobre o seu argumento: “fiquei muito feliz porque foi a primeira vez que eu tentei passar em um edital. Meu projeto fala sobre a teimosia do meu bairro. Eu trago a história do bairro Brasília Teimosa, porque o nome é Brasília Teimosa e como foi que surgiu o bairro, a história do início até hoje, e conto também sobre um membro do Conselho de Moradores que foi muito importante para a nossa comunidade”.


Já Luiz Apolinário, 22 anos, também contemplado pelo Recife Incluído, deu detalhes sobre a sua proposta de documentário. “Eu descobri o projeto pela internet, pelas redes sociais da Prefeitura, me inscrevi sem muita expectativa, mas quando vi que fui contemplado, eu fiquei muito feliz porque é sobre Solano Trindade o meu documentário. Ele é um poeta negro recifense, que eu digo que é, apesar de já estar morto, mas eu digo que é porque ele continua vivo no Recife, vivo dentro de cada recifense e, no Brasil, porque ele se expandiu. A ideia é mesclar a história dele pessoal e das suas vertentes artísticas com as experiências que ele viveu aqui. A ideia também é trazer artistas contemporâneos, bailarinos, poetas para expressar a sua arte, demonstrando que Solano Trindade permanece aqui, mesmo em trabalhos autorais”, explicou ele.


Além de fazer um passeio pelas novas instalações do Parque, reinaugurado no ano passado, após cuidadoso trabalho de requalificação e restauro das estruturas, que culminaram na atualização de todo o maquinário cênico e de projeção, os jovens assistiram ao curta “Mestra di”, da cineasta Tuca Siqueira, que também participou do encontro com o futuro do audiovisual. “Fiquei super emocionada com o projeto. Fiz meu primeiro documentário bem jovem, aos 23 anos. É muito importante que algo assim possa acontecer num momento de tanto desmonte cultural no país. Muito especial. Me enchi de esperança”, comentou ela.


Sobre o Recife Incluído – O concurso foi realizado entre os últimos meses de maio e junho e contou com 60 inscrições, registrando uma diversificada amostra de inscritos, entre homens, mulheres e pessoas trans, que se identificaram como pretos (46%), pardos (35%), brancos (15%) e indígenas (3%). As seis Regiões Político Administrativas do Recife se fizeram representar, com prevalência de recifenses das RPAs 1 (26,7%), 6 (23,3%) e 2 (20%). Dos 60 inscritos, 8% eram pessoas com deficiência, público que o poder público teve o cuidado de contemplar e mobilizar, disponibilizando vídeo de divulgação do edital com tradução para Libras e versão impressa em braile.


Todos os jovens participarão da execução dos filmes originados de seus argumentos, tendo a possibilidade de participar de oficinas, atividades de iniciação no audiovisual e acompanhamento do trabalho de produção. O curso introdutório ao audiovisual será oferecido nos próximos dias 11, 12, 18 e 19 de setembro. Os períodos de pré-produção, produção e pós-produção dos curtas irão de 13 de setembro a 17de dezembro. A exibição para o público recifense deverá acontecer em janeiro de 2022.


Executado com recursos provenientes de emenda parlamentar do deputado federal Tadeu Alencar, o projeto Recife Incluído tem orçamento de aproximadamente R$ 1 milhão, a ser repassado ao poder público municipal pelo Ministério do Turismo. O objetivo é estimular a produção audiovisual também na periferia do Recife, incentivando a formação e revelação de novos talentos, em um ambiente de criação e realização onde a cidade já se destaca, com projeção nacional e internacional. “Isso é política pública inclusiva, dinheiro público bem aplicado e bem aplicado na cultura. A economia da cultura ainda há de ser uma porta de solução para vários dos problemas que têm o Brasil. Tem gente que persegue a cultura. Estamos passando por um momento em que é preciso haver iniciativas como essa mostrando que é possível, mesmo num cenário tão árido e sombrio, ter jovens com olhares os mais variados e olhares de inclusão – a inclusão social, a inclusão das pessoas com deficiência, sob todos os aspectos”, declarou Tadeu Alencar. “Quero cumprimentar a gestão, João, e dizer da minha alegria de poder contribuir com esse projeto destinando uma emenda de R$ 1 milhão. Fico feliz de ver esse dinheiro se traduzir num programa tão redondo e bonito”, completou ele.


Confira a lista com todos os aprovados, por categoria:


Categoria 1 – História que contemple algum elemento e/ou personagem da cultura imaterial do Recife (saberes, costumes, tradições, manifestações populares)

Luiz Apolinário – Assumidamente Negro

Brendo Diogo Barbosa da Silva – Senhora desta Casa

Leonardo Pereira Lopes Catarino – As cores do frevo que virá

Maria Eduarda Virões da Cunha – A Teimosia da Brasília


Categoria 2 – História que contemple acervo e/ou equipamento (espaço) cultural do Recife, como teatros, museus e parques.

Anderson Leonardo de Almeida Serafim – O Cinema Ainda é a Maior Diversão

Tami Marques Acioly Por Detrás do Olhar

Rute Beatriz da Silva Praça e Ponto

Gabriel de Paula Monte Nogueira Quem é o Rei do Passinho


Categoria 3 História que contemple tema relacionado à cultura da inclusão de Pessoa com Deficiência (PcD), seja ela física, auditiva, visual ou intelectual, de modo que a história trate a inclusão de todo cidadão ou grupo de forma justa e igualitária

Priscilla Mesquita de Almeida O Integrarte na Pandemia

Letícia Lima do Nascimento Resistência: Mulheres Surdas nas Artes

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.