Pernambuco agora conta com o Teatro Guararapes Chico Science

By 30/03/2022 - 15:05Pernambuco
Foto: Matheus Ribeiro

Governo do Estado homenageia o artista precursor do movimento manguebeat dando seu nome à maior casa de espetáculos de Pernambuco. Cerimônia ocorreu nesta quarta-feira (30), no foyer do teatro, onde há 25 anos o cantor foi velado

O cantor Francisco de Assis França, mais conhecido como Chico Science, revolucionou o modo de se ver e fazer cultura no Estado. Unindo frevo, maracatu, hip-hop e rock, foi um dos criadores do que conhecemos como umas das expressões artísticas mais importantes dos anos 90: o movimento manguebeat. Pelo legado deixado à cultura pernambucana e brasileira, o Governo do Estado, por meio da Secretaria de Turismo e Lazer e da Empetur, dá o seu nome ao principal palco de Pernambuco, o Teatro Guararapes. A partir desta quarta-feira, o equipamento, que integra o complexo do Centro de Convenções de Pernambuco há 40 anos, passa a se chamar Teatro Guararapes Chico Science.

A cerimônia de mudança de nome foi realizada no foyer do teatro, na manhã desta quarta-feira, 30. Participaram da cerimônia o secretário de Turismo e Lazer do Estado, Rodrigo Novaes; o presidente da Empetur, Antonio Neves Baptista; o secretário de Cultura de Pernambuco, Gilberto Freyre Neto; o presidente da Fundarpe, Marcelo Canuto; o prefeito de Olinda, Professor Lupércio, e o secretário de Cultura do Recife, Ricardo Melo. A família do cantor foi representada por Jeferson França, irmão do artista. Vários nomes da cena cultural do Estado também marcaram presença.

“O movimento manguebeat foi um dos mais importantes da cena cultural brasileira nos anos 90. Os versos de Chico Science são cantados até hoje por gente de todo o canto do País. Dar o seu nome ao principal teatro do Centro de Convenções, uma das maiores plateias do Brasil, reforça o compromisso do Governo do Estado com a cultura, a arte e o entretenimento para a população e também para os visitantes que aqui chegam. Esta homenagem chega num momento especial, que é a retomada a todo vapor das atividades turísticas e culturais. Tenho certeza de que o espaço, que agora leva o nome de Chico Science, vai sediar ainda muitos momentos inesquecíveis”, comemora o secretário de Turismo e Lazer do Estado, Rodrigo Novaes.

O presidente da Empetur, Antonio Neves Baptista, ressalta que a homenagem se estende a todos os artistas pernambucanos. “É uma honra para o Centro de Convenções de Pernambuco, que é administrado pela Empetur, contar agora com um teatro que leva o nome de um artista tão importante para o Estado, como Chico Science. A decisão veio não só como uma forma de destacar o legado de Chico, mas também de valorizar todos os artistas da terra, que são responsáveis por elevar o nome de Pernambuco”, salienta Neves Baptista.

Além do novo nome, o teatro passou por melhorias. Foi revitalizado o jardim do foyer, que ganhou iluminação especial e 470 plantas ornamentais. Na entrada, foi substituída a adesivação, com alusão ao artista pernambucano e ainda colocadas placas com a planta da plateia. Uma placa em bronze marcando a data e totens de sinalização também foram instalados. Banheiros e guarda-volumes também receberam sinalização nova.

Inaugurado com show de Ney Matogrosso, o teatro é considerado um dos três maiores do Brasil, oferecendo uma plateia de mais de 2.400 lugares. Pelo seu palco, passaram os maiores nomes da música, dança e teatro do País, bem como cias. internacionais, a exemplo do Ballet Imperial da Rússia e o Ballet Bolshoi.

CHICO SCIENCE – Olindense, Chico Science nasceu em 13 de março de 1966 e passou a infância e adolescência no bairro de Rio Doce. A ligação mais forte com a música veio em 1987, quando formou seu primeiro grupo musical, o Orla Oribe, de black music, e evoluiu com a banda Loustal, já trabalhando com fusão de ritmos como soul, funk e hip-hop. O passo mais importante do início de carreira foi dado em 1991, quando passou a integrar o Lamento Negro, grupo afro de percussão, originando o Chico Science e Lamento Negro, depois baizado de Chico Science e Nação Zumbi.

O primeiro disco, Da Lama ao Caos, foi lançado em 1994, com músicas que viraram clássicos, a exemplo de A Praieira e A Cidade, e emplacaram em rádio e trilha sonora de novelas. O segundo, Afrociberdelia, de 1996, contou com a participação de Gilberto Gil, Marcelo D2 e Fred 04. Foi o disco do hino Maracatu Atômico. Chico Science faleceu em um acidente automobilístico no Complexo de Salgadinho, em Olinda, em 2 de fevereiro de 1997.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.