Prefeitura do Recife inicia obras de requalificação da Escola de Frevo

Ao todo será investido mais de meio milhão de Reais no espaço, que há 25 anos é dedicado à formação de muitas gerações de passistas

Casa da expressão artística que é a cara de Pernambuco, a Escola de Frevo do Recife está ficando de cara nova. O prefeito João Campos anunciou nesta quinta-feira (22) a requalificação do equipamento, localizado na Zona Norte da cidade. O investimento é de R$ 550 mil e o casarão deve ficar pronto em 90 dias, para levar ainda mais longe a dança e o ritmo que começa na cabeça, toma o corpo e termina no pé.

“A gente está aqui na Escola do Frevo do Recife, que está há mais de 20 anos formando crianças, jovens e adultos no frevo na nossa cidade e a gente vai requalificar, tornar completamente acessível para as pessoas com deficiência. Aqui são mais de 600 pessoas que têm aula permanente. Com essa iniciativa a gente vai poder ter mais um patrimônio da cultura recuperado na nossa cidade”, comemorou o prefeito.

O espaço é o segundo contemplado pelo Move Cultura – Movimento de Valorização dos Equipamentos Culturais, que também está promovendo intervenções na Casa do Carnaval. “A gente lançou o Move Cultura, um movimento que vai recuperar e restaurar os equipamentos de cultura da cidade e já está fazendo isso na Casa do Carnaval, no Pátio de São Pedro, que será entregue em agosto. Começa aqui o segundo passo, na Escola do Frevo, e vamos levar para os quatro cantos da cidade, sempre defendendo a cultura e a recuperação no nosso patrimônio cultural”, defendeu João Campos.

O equipamento completou, no último mês de março, 25 anos de atividades, formando muitas gerações de passistas, difundindo e perpetuando o frevo como expressão da identidade e da cultura recifenses, além de alternativa na profissionalização e meio de vida para muitos jovens. O espaço cultural de ensino e renovação da extensa biblioteca de passos do frevo terá instalações totalmente requalificadas, com melhorias nos dois pavimentos, na fachada, mudança de piso, adaptação do banheiro para cadeirantes, além da criação de um palco para pequenas apresentações na área externa.

As primeiras intervenções se darão nas instalações elétricas e hidráulicas, com a execução ainda de novos projetos de iluminação e refrigeração. Após estudo de otimização dos espaços internos, as salas de aula serão ampliadas, adaptadas para acessibilidade, ganhando ainda piso em linóleo, específico para dança. Além disso, será criado um depósito para armazenamento de figurinos e materiais. As paredes internas da escola ganharão revestimento de cerâmica, de acordo com o padrão adotado nas unidades educacionais da rede municipal. Os banheiros também passarão a contar com acessibilidade e um deles será exclusivo para pessoas com deficiência. Será criado um lavatório com acesso externo, para higienização das mãos antes da entrada nas salas e áreas internas comuns.

No espaço externo, a principal intervenção será a criação da área de convivência, com palco coberto, para uso regular dos alunos e professores nas atividades pedagógicas. Na lateral do palco, o muro ganhará um grafite alusivo ao frevo e à importância da dança para a cultura recifense. O pátio da escola ganhará ainda um bicicletário. Na fachada do prédio que margeia a Avenida Norte, será realizada a recuperação da coberta estrutural, que passará a contar com revestimento em cerâmica com intervenções artísticas.

Passista, professor de frevo e estudante de música, Bhrunno Farias, de 33 anos, comemorou a intervenção. “Este é um espaço completamente transformador. Eu cheguei aqui apenas como diversão e acompanhei todas as mudanças. Este, além de um espaço acolhedor, é um espaço que perpetua nossa cultura. O que a prefeitura está fazendo mexe muito com todas as pessoas que fazem essa escola”, se emocionou.

A emoção é compartilhada pelo também passista Junior Viegas, 33 anos. “Entrei em 2001, tenho 20 anos de escola. Aqui pudemos representar a nossa cultura em diversos locais do Brasil e do mundo, trazendo prêmios para casa e dando visibilidade para a escola. Queremos que mais pessoas possam viver o frevo, saber que ele existe e fortalecê-lo”, pontua Viegas

Sobre a Escola – A Escola foi implantada em 6 de março de 1996, com o objetivo de contribuir para a preservação da cultura pernambucana. Foi pensada inicialmente para atender alunos da Rede Municipal de Ensino. Em 1999, passou a se chamar Escola Municipal de Frevo Maestro Fernando Borges, assumindo a missão de oferecer aulas diárias e gratuitas de frevo para pessoas de todas as idades, fortalecendo uma das mais importantes expressões culturais recifenses e brasileiras.

Foto: Marcos Pastich/PCR

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.