Retorno do Praia sem Barreiras devolve lazer acessível às praias do Recife

A programação da 9ª Jornada de Direitos Humanos da Prefeitura do Recife marca o retorno do projeto que oferece banho de mar assistido às pessoas com deficiência

Sol, praia e inclusão. Marcando o Dia Internacional da Pessoa com Deficiência, comemorado neste sábado (03.12), a programação da 9ª Jornada de Direitos Humanos da Prefeitura do Recife traz de volta um importante projeto de acessibilidade: o Praia sem Barreiras. A iniciativa, criada em 2013, volta a acontecer às sextas,  aos sábados, domingos e feriados das 8h às 13h,  na Praia de Boa Viagem, Posto 7, na altura da Rua Bruno Veloso. O objetivo do Praia sem Barreiras é garantir o acesso ao lazer,  possibilitando o banho de mar assistido às pessoas com deficiência, mobilidade reduzida e idosos. Hoje, a atividade contará com a presença da prefeita em exercício, Isabella de Roldão.

“A praia é o espaço mais democrático que tem, é diversão gratuita e que tem que ser acessada por todas e todos de forma plena, segura, porque o que a gente quer é uma cidade onde todo mundo se inclua de forma possível, feliz e respeitosa. Hoje é dia de aproveitar a abertura dessa nova temporada do Praia Sem Barreiras, para que a gente consiga ter uma cidade de fato acessível e inclusiva”, declarou a prefeita em exercício, Isabella de Roldão. 

O Praia Sem Barreiras é um dos projetos que integram o programa Turismo Acessível, da Empresa Pernambucana de Turismo (Empetur), que é executado na capital pernambucana pela Prefeitura do Recife, através da Secretaria de Desenvolvimento Social, Direitos Humanos, Juventude e Políticas sobre Drogas, em parceria com a Universidade Maurício de Nassau (Uninassau). Desde o lançamento, em março de 2013, até a suspensão das atividades, que aconteceu em 2020 devido à pandemia, mais de 6 mil pessoas já viveram a experiência do banho de mar assistido graças ao Praia sem Barreiras, incluindo familiares e cuidadores.

A manhã de sábado começou diferente para Odair da Silva, 45 anos. Teve música, atividade física e banho de mar. Tetraplégico por conta de um acidente de moto em 2012, é no Praia Sem Barreiras que ele mata a saudades do mar. “Enquanto eu puder vir, estarei aqui. Essa ação é linda, porque ajuda quem não consegue chegar no mar a ir até ele”, contou. Na adaptada cadeira anfíbia, cadeira de rodas  que não afunda e é resistente à água salgada, Analice de Oliveira, 38 anos, voltou do mar com um sorriso no rosto e alma lavada. Vítima de paralisia infantil, por não tomar a vacina contra a Poliomielite quando criança, é em ações como essa que ela se sente prestigiada com dignidade. “Nem todo mundo pensa nos deficientes. Ter algo pra gente é importante, porque a gente se sente notado, na maioria das vezes somos invisíveis”, lamentou. 

A experiência do banho de mar assistido ocorre por meio de cadeiras de rodas anfíbias e esteiras removíveis que permitem aos participantes o deslocamento da faixa de areia até o mar. Além disso, para garantir a autonomia de quem quer participar das atividades, as calçadas que dão acesso à faixa de areia são acessíveis. Maria da Conceição, 47 anos, é mãe de Ágata da Silva, 7 anos, que tem Síndrome Congênita do Zika vírus. Ir ao Praia Sem Barreiras é algo que tem sido bom não só para a filha dela, mas para ela também. “Dedico minha vida a ela, não tenho tempo para o lazer. É em uma oportunidade como essa, que também tomo banho de mar. Eu e ela nos divertimo”, revelou. Atleta de natação e goalball no Centro de Treinamento Paraolímpico do Geraldão, Wellington Gomes, 24 anos, é deficiente visual e veio pela primeira vez ao projeto. “Fiquei com medo de ir para o mar na cadeira, mas foi tranquilo demais. Os auxiliares passaram muita segurança e quando eu saí, fiquei com gostinho de quero mais”, contou. 

O retorno do Praia Sem Barreiras neste sábado (3) acontece durante as atividades da 9ª edição da Jornada Municipal de Direitos Humanos, cuja programação envolve diversas ações para fomentar e reafirmar a luta pela Igualdade Racial, aos Direitos da Criança e do Adolescente, das Pessoas Idosas, das Mulheres, das Pessoas com Deficiência, da População LGBTI+, entre outros segmentos da sociedade. As ações da 9ª Jornada de Direitos Humanos começaram no dia 20 de novembro, Dia da Consciência Negra, e seguem até o próximo dia 10 de dezembro, quando é comemorado o Dia da Declaração Universal dos Direitos Humanos.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.