Santa Maria da Boa Vista: Equipe jurídica montada pelo prefeito George Duarte e pelo Distrito conquista liminar que proíbe corte de energia do Projeto Fulgêncio

Um débito de mais de R$ 4 milhões fez com que a Neoenergia emitisse uma notificação de corte para o Perímetro Irrigado do Fulgêncio, em Santa Maria da Boa Vista. Vale destacar que a responsabilidade de administrar, operar e manter os perímetros irrigados é do Governo Federal, seja no tocante ao fornecimento de água e até mesmo ao pagamento das contas de energia elétrica. Sabendo de toda a importância da atividade agrícola realizada no Projeto, o prefeito George Duarte, em parceria com o Centro Administrativo, montou uma equipe jurídica para impedir a paralisação da oferta energética.

Na noite de ontem (7), o juiz atendeu ao pedido e expediu liminar proibindo o corte. Em caso de descumprimento, a Neoenergia/CELPE estará sujeita a multa diária no importe de R$ 10.000,00 (dez mil reais), limitada inicialmente ao total de R$ 100.000,00 (cem mil reais).

“Ingressamos com uma ação judicial com pedido de tutela cautelar para impedir esse corte de energia. A paralisação energética traria um prejuízo imenso para o Projeto Fulgêncio e todo o município de Santa Maria da Boa Vista. São milhares de famílias que utilizam o sistema de abastecimento para produzir renda, e por isso não iríamos permitir que a situação chegasse ao extremo”, comentou o prefeito George Duarte.

O gestor ainda afirmou que, mesmo com a ação judicial, já está em contato com representantes do Governo Federal para solicitar esclarecimentos sobre o débito. “Queremos que o Governo Federal efetue o pagamento do débito e tome todo o cuidado necessário para que esse tipo de problema não se repita. Já estamos em contato com representantes do Governo para que tudo seja resolvido”, finalizou.

O Perímetro Irrigado do Projeto Fulgêncio é o principal vetor econômico do município de Santa Maria da Boa Vista. Com área aproximada de 4.716 hectares, o referido projeto de irrigação conta nos dias atuais com 47 agrovilas e mais de 15.000 habitantes, todos ali instalados por força de assentamento propiciado ainda no ano de 1987 para construção da barragem e formação do Lago de Itaparica.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.