Vereador Hélio Guabiraba lamenta falta de água nas comunidades do Recife

O vereador também solicitou uma audiência com a Compesa para debater o problema

O primeiro vice-presidente da Câmara Municipal do Recife, o vereador Hélio Guabiraba (PSB), abriu um amplo debate na sessão plenária desta terça-feira (2) entre os pares ao cobrar o abastecimento de água nas comunidades do Recife. O socialista deu entrada a um pedido para que seja criada a Comissão Interpartidária de Fiscalização da Compesa com o objetivo de que a Casa de José Mariano fique a par de todo o trabalho realizado pela Companhia de forma a sanar o problema da falta de água, que atinge diversos bairros do Recife.

Além disso, o parlamentar contou que pedirá, em caráter de urgência, uma audiência com a presidente da Companhia, Manuela Marinho. Hélio Guabiraba, ao discursar sobre o tema, lamentou o fato de que o cidadão paga as contas, mas a água não chega. “É um absurdo a gente ter que estar todos os dias cobrando para que a pessoa tenha direito ao que lhe é de direito, que pagam suas contas em dia”, ressaltou.

O vereador, ainda criticando a Compesa, também falou que as famílias não conseguem mais viver com total descaso, em especial, em Casa Amarela. “Ainda esta semana tentarei marcar a audiência com a presidente da Compesa para que levemos o apelo dos moradores de forma que, o mais breve possível, [a Compesa] possa dar uma resposta objetiva para fazer com que as pessoas saiam dessa dificuldade”, complementou no seu pronunciamento.

Na primeira sessão plenária do ano, foram aprovados 17 requerimentos de autoria do vereador Hélio Guabiraba. Entre eles, mais uma cobrança direta à Compesa para que resolva o problema da falta de água na Rua Regina, na comunidade da Macaxeira, na Zona Norte do Recife.

Ele chamou a atenção para o fato de que há mais de quatro meses os moradores da rua sofrem com a escassez de água. “Esse é um problema recorrente. São diversas famílias que entram em contato comigo e não podemos deixar que a população continue passando por tamanho transtorno”.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.