Celpe tenta confundir consumidores

A matéria “TCU responde parlamentares e diz que aumento da tarifa da Celpe é válido” gerou grande indignação no deputado federal Eduardo da Fonte (PP), nos deputados estaduais Fabíola Cabral (PP), Clovis Paiva (PP), Erick Lessa (PP), Fabrizio Ferraz (PP), e no vereador do Recife Chico Kiko (PP), autores da ação popular contra a Celpe para a suspender o reajuste médio de 5,16% na conta de luz.

Os parlamentares esclarecem que o período tarifário destacado pelo Tribunal de Contas da União (TCU) e citado na reportagem refere-se ao ano de 2019, enquanto o questionamento feito na ação popular é referente a 2020, ano em que a Celpe fez uma compensação tributária indevida que prejudicou os consumidores do Estado de Pernambuco e onerou ainda mais a conta de luz. A companhia usa o TCU de forma irregular para responder à questão e tentar confundir os consumidores.

O processo segue tramitando na Justiça Federal de Pernambuco. Os parlamentares também irão acionar o Ministério Público Federal e o TCU a respeito do reajuste tarifário de 2020.